E se os debates fossem apenas na rádio?

Com a campanha eleitoral para as legislativas a decorrer em Portugal, vale a pena lembrar que há 55 anos, a 26 de setembro de 1960, ocorreu o primeiro debate televisivo dos Estados Unidos, no que ficou marcado como o fim do apogeu do meio radiofónico em termos políticos. O embate entre os então candidatos à presidência, John Kennedy e Richard Nixon, foi histórico, pois estabeleceu uma mudança fundamental não apenas na forma como as campanhas seriam conduzidas a partir de então, mas também no meio televisivo e na própria história política do país.

PAUL SCHUTZER/ Time Life Building

PAUL SCHUTZER/ Time Life Building

Ler mais…

Hoje é comumente aceite que este primeiro debate foi o grande responsável por tornar Kennedy, à época um jovem e pouco conhecido senador pelo estado de Massachussetts, presidente dos Estados Unidos. Também é conhecido o facto de que os ouvintes do debate, pela rádio, consideraram que Nixon foi o vencedor, enquanto quem acompanhou pela televisão creditou à vitória a Kennedy; no entanto, naquele ano, já 88% dos americanos tinham um aparelho televisivo em casa – um aumento de 77% em relação à década anterior.

A partir do debate, a questão da imagem dos candidatos adquiriu uma importância fundamental para as campanhas, algo que não existia nas décadas anteriores, quando o rádio era o principal meio jornalístico. Como se apresentar, se portar e se comunicar diretamente com as audiências tornaram-se factores sine qua non para o sucesso de uma campanha eleitoral.

O facto de Nixon aparecer aos americanos que acompanhavam pela televisão pálido e com baixo peso – em consequência de um internamento nos dias anteriores ao debate – contrapôs-se à aparência calma e confiante de Kennedy, o que claramente prejudicou o primeiro. O impacto do histórico debate foi tão grande que o seguinte só viria a ocorrer 16 anos depois, pois os candidatos posteriores ficaram assustados com a sua influência, já que, pela televisão, eles podiam ser julgados pelo público em bases completamente distintas.